Um terço dos sites é vulnerável ou já foi hackeado, diz pesquisa

Segundo levantamento da Menlo Security, 34% das principais páginas da web são classificadas como “arriscadas”. Um em cada três do um milhão de sites principais na web são vulneráveis a ataques ou já foram hackeados, aponta um novo relatório da Menlo Security.

Por exemplo, criminosos usaram o site da Forbes.com no mês passado para um rápido ataque do tipo watering hole. Segundo a empresa de pesquisas iSIGHT Partners, o ataque durou apenas alguns dias no fim de 2014, usou uma vulnerabilidade zero-day do Adobe Flash, e foi ligado a um grupo chinês de ciberespionagem.

“Vimos o hack da Forbes.com, e também tiveram alguns vários outros sites sendo hackeados, com entrega de malware e tendo usuários inocentes como alvo”, afirmou o CTO da Menlo, Kowsik Guruswamy. “Ficamos curiosos em como aquele malware chegou lá em primeiro lugar.”

Para descobrir isso, a empresa de segurança foi investigar os 1 milhão de principais sites do mundo, com base no ranking da Alexa. Eles baixam tudo que um usuário típico precisaria ao visitar um site, incluindo iFrames, embeds, widgets, ad networks – todo o necessário renderizar totalmente a página.

“Os comparamos com todos os domínios conhecidos de malware, e analisamos exatamente quais os tipos de serviços que o servidor estava rodando”, disse.

A Menlo não detectou vulnerabilidades em 66% dos sites. Mas os 34% restantes foram classificados como “arriscados”.

Em especial, 22% deles estava rodando em uma infraestrutura vulnerável. Por exemplo, mais de 10% de todos os sites estão rodando uma versão vulnerável da aplicação de framework PHP.

Outros 8% estão rodando software de servidor web vulnerável, dividido uniformemente entre Apache e IIS.

Cerca de 2% dos sites rodam sistemas de gerenciamento de conteúdo vulneráveis, divididos igualmente entre WordPress e Drupal.

Descobrir que um site está rodando um software vulnerável não exige nenhuma habilidade especial – o relatório aponta que as informações sobre a infraestrutura de base de software de um site é fornecida para qualquer navegador que pedir.

Além das próprias vulnerabilidades, 4% dos principais sites hospedam ativamente malware. Outros 3% estavam com spam ou rodando botnets.

Guruswamy apontou que essas páginas estão entre as mais confiáveis do mundo.

A Menlo também analisou as categorias em que os sites se encaixavam, e a taxa de vulnerabilidade geralmente ficava em torno de 20% para a maioria dos sites mainstream, incluindo tecnologia, negócios, compras, entretenimento, notícias, viagens, finanças, esportes, e saúde.

Algumas categorias de nicho tiveram taxas de vulnerabilidade muito maiores, chegando a 80%, aponta a empresa.

“Para sites de downloads ilegais, você já espera que a coisa seja feia”, disse o especialista. Mas os usuários e empresas já estão preocupados com essas páginas, lembra.

“A Forbes.com é um site bastante conhecido. As pessoas pensam ‘não vamos nos preocupar com isso’. Mas esse é o conceito errado.”

Infelizmente, ele não tinha soluções para oferecer para empresas buscando proteger seus funcionários.

“Os métodos atuais não estão funcionando”, afirmou.

Fonte: IDG NOW (http://idgnow.com.br/internet/2015/03/25/um-terco-dos-sites-e-vulneravel-ou-ja-foi-hackeado-diz-pesquisa/)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *